Missão novembrina

Da China de Mao para São Paulo.

O próximo livro será o “Não Falei”, de Beatriz Bracher.

Entrevista da Senhora:

Beatriz Bracher – A presentificação do passado

Nascida em 1961 em São Paulo, SP, Beatriz Bracher começou seu trajeto literário na revista 34 Letras e como co-fundadora da Editora 34, onde trabalhou de 1992 a 2000. Junto com Sergio Bianchi, desenvolveu a idéia original do filme Cronicamente inviável. Publicou Azul e dura (2002),  Não falei (2004) e Antonio (2007).

Qual é a sua formação como leitora?
Beatriz: Minha formação de leitora vem muito de família e da escola. Na minha casa, as pessoas tinham muitos livros. Meus pais liam muito. Meus irmãos foram aprendendo a ler e gostando de ler também. Uma vez, com 11 anos, viajei para fora do Brasil e fiquei dois meses fora. Senti muita saudade do português. Foi aí que comecei a ler. Meus pais me mandaram um livro em português chamado Boi aruá, de Luis Inácio de Miranda Jardim. Fiquei tão feliz de encontrar o português de novo, que, a partir daí, comecei a ler de verdade. Estava com saudade da língua. Precisava dela para ser eu mesma.

Dessas primeiras leituras, alguma coisa que te marcou especialmente?
Beatriz: Um livro cômico chamado Pequeno Nicolau, com texto de Goscinny, o mesmo autor do Asterix, e ilustração de Jean Jaques Sempé. Era um livro com pequenas histórias que eu adorava ler. Na minha geração, com 15 anos, nomes como Borges e Cortázar eram muito mencionados. Era uma época que a literatura latino-americana era muito falada. Tem também o Kafka. No começo da década de 1970, os concretistas eram muito importantes. Gostava muito também do Jaó Cabral de Melo Neto. Foi um início maravilhoso. Comecei muito bem. Ler era valorizado. Para você ser bem visto com os amigos, era preciso ser mais culto. Era uma forma de inserção.

Como começou a sua produção pessoal nesse trajeto?
Beatriz: Desde a adolescência, pensava que a coisa mais importante era ser a melhor escritora. Podia me transformar na melhor editora do mundo ou na melhor física, mas nada seria tão importante como isso. Talvez por colocar a atividade da escrita num local tão elevado, tinha muito medo. Escrevi alguns contos, mas nunca mostrei para ninguém. A idéia de fazer a revista e, depois, a editora 34, sempre com outros amigos, veio gostava de ler e achava que não tinha espaço onde publicar. Queria criar um espaço para ler o que me interessava. Com a experiência da editora, fui vivenciando a coragem das pessoas de mandar livros inéditos. Às vezes eram ruins e outras, bons, mas precisando de ajustes. Escrever é uma coisa que exige trabalho e também coragem. Me faltava isso. O trabalho na editora me ajudou pelo exemplo daqueles que escreviam os originais que eu precisava ler e selecionar.

http://perfilliterario.wordpress.com/category/beatriz-bracher/

Um rabo a menos no mundo

Já extirpei minha caudinha (ela deixará saudades…)! O vácuo de carne e músculos aberto logo acima do cóccix dói, incomoda, mas estou bem. Espero estar recuperada até o dia 24!

Para quem quiser ter uma ideia de como foi minha cirurgia, assistam: http://www.youtube.com/watch?v=hwRZXgVgOLM

Para os que não tiverem estômago não tão forte assim, este é o link de como está a ferida: http://www.youtube.com/watch?v=rNyirwv3wx4&feature=related

Obs.: Já aviso que meu bumbum não é peludo assim! Isso é apenas uma aproximação, em imagens, da minha saga vivenciada na última sexta-feira e nos dias subsequentes.

E com relação ao livro, estão gostando das aventuras da tchurma comedora de arroz cultivado em terreno alagadiço?

Rir pra não chorar…

Outubro

Chéries,

Venho por meio deste informar que O encontro de outubro realizar-se-á no dia 24, domingo. 19h30. Pela Heitor Penteado.

Que todos tenham bons dias chuvosos de primavera e surto de catapora em São Paulo.

Votem direitinho.

Beijos.

Já escolheu seus senadores?

PRECISAMOS ESCOLHER  2  SENADORES, você sabe, não é ?

Vejam os CURRÍCULOS  e as COLOCAÇÕES NAS PESQUISAS dos candidatos a senador

Candidato 1

O pai, fundou a escola de idiomas Yazigi e a  Fundação SOS Mata
Atlântica. A mãe, foi premiada pela UNESCO por seus programas para
capacitação  profissional.

Começou a trabalhar na empresa do pai aos 16 anos  e levou-a ser um
dos maiores cases de sucesso de franquias no  mundo.

Fundou a Associação Brasileira de Franchising, e  foi presidente da
associação por 3 mandatos consecutivos.

Fez parte dos movimentos estudantis na época da  ditadura militar
brasileira. , Atuou na AP – Ação Popular, mas abandonou o  movimento
devido às sua crença na não-violência.

Começou a praticar sustentabilidade antes mesmo do  termo ter sido
inventado, e por isso foi um dos redatores da Carta da  Terra – A
declaração de princípios éticos e fundamentais para construção  de uma
sociedade justa, sustentável e pacífica.

Pós-Graduado em filosofia pelo IBMEC.

Autor do programa de capacitação de  professores  no Institute for the
Advancemente of Philosophy for  Children, na Montclair State
University .

Voluntário em capacitação de professores em  escolas públicas, devido
ao seu interesse de educação por  qualidade.

Integrante do PNBE – Pensamento Nacional de Bases  Empresariais onde
implementou projetos de adoção de escolas públicas por  parte de
empresas.

Presidente do conselho deliberativo do instituto  Ethos. Fundador do
Uniethos – a sua divisão educacional. Projetou o  instituto com suas
participações  em fóruns internacionais como   o Pacto Global das
Nações Unidas, o Global Report Iniciative , a 26000, o  fórum
Econômico Mundial. Iniciou  a disseminação da responsabilidade  social
empresarial como uma nova dimensão nos negócios.

Um dos três fundadores doMovimento Nossa São  Paulo.

Um dos fundadores do fórum Amazônia  Sustentável.

Convidado para participar do projeto Elias – do  Massachussets
Institute of Technology para incentivar a inovação de  lideranças
sistêmicas ligadas à sustentabilidade.

No final de 2007, aproximou-se de Marina Silva e,  juntos com outras
lideranças empresariais e ambientais, conceberam o  movimento Brasil
Sustentável, que visa engajar diversos setores da  sociedade –
empresas, governos, academia e organizações da sociedade civil  – na
construção de uma sociedade responsável, justa e  sustentável.

Ricardo sonha com uma sociedade de pessoas  felizes, com qualidade de vida.

Seu lema de vida é: Paz, Alegria e Serenidade.

Filósofo, praticante de yoga e da filosofia de não  violência de
Ghandi, Músico e compositor de violão erudito e muitas outras  coisas
que não cabem numa página, mas estão publicadas em sua biografia em

Candidato 2

Casou-se aos 15 anos e  aos 16, montou um grupo de  pagode

Em 2001 abandonou o  grupo em prol de sua carreira solo. É pai de 7
filhos e praticante de  violência doméstica contra sua esposa.

Apresentou o programa  Show da Gente no SBT. Em 2008, aproveitou sua
fama artística e foi o  terceiro vereador mais votado na cidade de São
Paulo.

Também por meio de  eleição, foi  presidente da Comissão
Extraordinária de Defesa dos  Direitos da Criança, do Adolescente e da
Juventude da Câmara de São Paulo.  Foi também escolhido como relator
da Frente Parlamentar em Defesa das  Pessoas em Situação de Rua.
Também é membro da Comissão de Constituição,  Justiça e Legislação
Participativa (CCJ).

Como integrante desses  grupos, ganhou notoriedade ao agredir o
repórter Vesgo em frente às  câmeras.

Candidato 3

Formado em direito pela  USP, onde também lecionou a matéria.

Por conta de ações contra  a ditadura foi exilado na França, onde
estudou Economia Política e foi  professor de Português.

Foi diretor do Instituto  de Pesquisa e Desenvolvimento em Paris.

Foi deputado Estadual  duas vezes e líder do Governo Franco Montouro.
Foi Deputado Federal 3  vezes, ora pelo PMDB, ora pelo PSDB.

Foi vice-governador do  Estado e Secretário Estadual de transportes.

Foi ministro-chefe da  Secretaria Geral da Presidência, Ministro da
Justiça e Secretário do  Governo e Prefeitura de São Paulo.

Responsável pela  articulação política entre as pastas de governo e município.

Suas principais  realizações foram:

– fim da taxa do lixo,  criada por Marta Suplicy e isentou da taxa de
iluminação pública os  moradores de ruas não iluminadas.

– construção de 46 novas  escolas, substituindo outras 44 em condições
inadequadas, as chamadas  escolas de lata, favorecendo cerca de 35 mil
crianças que estudavam nas  antigas escolas.

– grande incentivador da  Virada Cultural.

– na saúde firmou  novamente convênio com a FURP, retomando a fábrica
de remédios do governo  do estado de São Paulo, que passou novamente a
fornecer remédios à  prefeitura.

– integração do Bilhete  Único ao Metrô.

– construção de 2  Hospitais (Hospital Cidade Tiradentes e o Hospital
M’Boi Mirim).

– Construção de 11 Novas  Unidades Básicas de Saúde

– Construção de 50 AMAs

– serviço de pronto  atendimento em Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou
Pronto-Socorros, com  capacidade de atendimento de até 300 pessoas/dia
por unidade.

– Implantação do Programa  Remédio em Casa

– entrega domiciliar de  medicamentos a pacientes com doenças crônicas
(diabetes e hipertensão).

– A chamada Lei Cidade  Limpa é uma lei contra a poluição visual no
município de São Paulo que  está em vigor desde o dia 1º de janeiro
de2007. Proposta e sancionada pelo  prefeito de São Paulo, Gilberto
Kassab.

Candidato 4:

Foi investigador,   Delegado de Polícia. É formado em Direito pela USP.

Foi diretor do DOPS  (polícia da ditadura) de 1977 a 1982 quando
tornou-se superintendente  geral do DOPS paulista.

Capturou o mafioso  italiano Tommazo Buscetta. No governo Collor, foi
Secretário da Receita  Federal.

Foi presidente do  Instituto Brasileiro de Assuntos Estratégicos.

Membro do Conselho de  Ética Parlamentar

Atualmente é senador e  defende o filho sobre as acusações de
envolvimento com a máfia chinesa,  acusações essas surgidas após o
filho assumir o Conselho Nacional de  Combate à Pirataria e enriquecer
416% em menos de um ano.

Candidato 5:

Seu pai  foi o megaindustrial Luís Afonso Smith de Vasconcelos.

Educada em escolas  francesas Des Oiseaux e Nossa Senhora de Sion. Tem
3 filhos e 5  netos.

Psicóloga e Psicanalista,  com mestrado em Psicologia Clínica pela
Michigan State University, e pós  graduada pela Standford University.

Ficou famosa pela atuação  política do marido, e adotou seu nome
quando foi Apresentadora da TV  Mulher nos anos 80.

Tem 9 livros  editados.

Após o divórcio,  continuou usando o nome do marido.

Foi deputada federal  entre 1995 e 1998. Nesse período apresentou dois
projetos: A da parceria  civil para pessoas do mesmo sexo (1996) e a
política de cotas para   mulheres na política.

Eleita Prefeita em São  Paulo com 58% dos votos em disputa direta
contra Maluf, criou a taxa do  lixo, o bilhete único e os CEUS. Ganhou
notoriedade ao inaugurar obras às vésperas da eleição, como  o túnel
na avenida Rebouças, que ficou inundado e teve que ser fechado  para
obras novamente 3 dias após sua inauguração. Obteve cerca de 32% dos
votos na eleição seguinte.

Ministra do Turismo   do Governo Lula, lançou o Viaja Mais Melhor Idade.

Famosa pela frase: ”  Relaxe e goze !”

Candidato 6:

Músico, cantor e  apresentador, tem o ensino fundamental incompleto.
Participou de “A praça  da Alegria”, “Vende-se um véu de noiva”, “Ô
coitado” e “A praça é nossa.”, Pequenos  Brilhantes, A Mulher é  um
Show, Concurso de Paródias, “nome do candidato” Show e “nome do
candidato” TV.

Desligou-se do SBT ao  receber o convite para ser candidato.
Atualmente vive uma rixa com os  donos de seu partido, acusando-os de
censura e de não conseguir passar sua  mensagem.

AGORA SAIBA  QUEM SÃO:

Candidato  1: Ricardo  Young,  430.

Candidato 2:  Netinho de Paula, 131.

Candidato 3:  Aloysio Nunes,  451.

Candidato 4:  Romeu Tuma, 141

Candidato 5:  Marta Suplicy (Marta Smith de Vasconcelos): 133

Candidato 6:  Moacir Franco, 177

AGORA VEJA COMO ESTÃO AS PESQUISAS :

Netinho 28%;
Marta 35%;
Romeu Tuma 21%;
Aloysio Nunes 16%;
Ciro 12%;
Moacyr Franco 9%;
Ana Luiza 4%;
Ricardo Young  3%;

Só muda se você mudar!

VOTE CONSCIENTE…

Ata da VII Reunião do Club du Livre

Mês dos Perdedores (Setembro)

Livro: História do Pranto, de Alan Pauls > média 7.53

Desfalques: Redbee, Pernanda, Théo e Nina

Perdoem a escrita demasiado saturnina. Esta ata será em terceira pessoa, em consonância com o livro do mês, História do Pranto. Aquela nova e velha reflexão machadiana e começar estas memórias pelo início ou pelo fim também calhou.

“Estão todos do avesso como uma luva”, constatou Danessa em algum momento da noite. Aquela noite de domingo, último domingo do inverno, tinha um brilho oculto.  Nem parecia que era o mês dos perdedores. Mesmo com a ausência de Pernanda a sensualidade e paudurescência estiveram presentes. Voltando ao início: Os membros entram pela porta da frente produzindo confusão para daltônicos, com seus trajes verdes ou vermelhos, exceto Rimkus e Fred. Este causa espanto com seu terno marrom-cueca.

Enquanto o clã não está completo, Mlle. Chanti  pede conselhos em relação a seu órgão vestigial. Todos já viram Chantal nua e sabem que ela tem uma cauda dos tempos que era Atlante. Pat pergunta a príncipe se ela incomoda durante o sexo anal e ele diz que não.

O ambiente está mais boêmio que de costume. Théo e Nina dormindo.  Mesa com cerveja, salgadinhos e pães recheados. O de queijo com sementes de papoula feito pela mãe da Pat. As duas fazem as pazes após um fim-de-semana sem se falarem. E Carlos Henrique Lúcifer parte o parte o pão.

De repente as pessoas lembram-se que estão lá reunidas para tratar do livro História do Pranto, de Alan Pauls. Rimkus diz que escolheu o livro por pressão do casal Kling. Queria escolher O Silêncio, da lusitana Teolinda Gersão. Danessa diz que o livro é lindo. Fred diz que gostou da escolha porque já havia lido.

Lúcifer quer dar uma de acadêmiCU e quer discutir o porquê do livro se chamar História do Pranto. Danessa lembra-o que estamos no Club du Livre, e não no Roda Viva, caralho. E imita a Gabi Gabriherpes. Lúcifer está mais bobo que de costume e há um motivo: É síndrome de Asperger é porque está namorando!!! S2 S2 S2

Príncipe diz que leu 60% do livro e Mlle. Chanti não leu porque vossa alteza estava empatando o livro.  Alguns dizem que “O livro é curto e nem por isso fácil”. “Há um tom de ensaio”. Unânime mesmo foi o “Me perdi”. Pelo menos dessa vez Fred não ficou reclamando. É melhor um livro que todos odeiem que um livro que Fred odeie. A imperatriz do Club disse gentilmente para quem se queixou do livro “Vai se fuder e faz melhor”. Dentre os trechos favoritos estão os testículos, Super-Homem e o pé na bunda da empanada Chilena.

E vem Lúcifer novamente querendo ser coolt com seus adendos, dizendo que o livro lembra um filme Luana, Leona, sei lá que porra. Inventou qualquer coisa que obviamente ninguém conheceria. Danessa diz que Marcos não gostou porque não tinha figuras (somente nas contracapas). Ele replica que o ponto problemático foi a identificação com o personagem. Marcos e Pat gostaram do começo do livro, acharam que tinha um potencial, mas depois acharam o protagonista um puta chato. MAS ELE É UMA CRIANÇA! – Protesta Danessa.

Príncipe mostra para que veio e mostra a verdadeira intelectualidade FFLCHiana, discursando sobre a fantástica analogia do Super-Homem para a criança.

Quase todos concordam que o livro perde força no final. Danessa está disposta a tirar a roupa para que todos concordem que o livro é muito muito bom. Começam a falar de fluidos. “Rola uma fluidez”- diz Fred. “A partir da página 55”- completa Lírian. O assunto chega em paternidade, paternalidade, paternalismo: A cena do protagonista fugindo de seu pai. “Mas pai é assim mesmo”- afirma Danessa. Lembram-se do quanto os pais gostam de falar dos filhos. “Filhos são resultado da relação arrependida” foi mais uma citação de efeito. Lírian não quer ser mãe igual àquela por ter nojo de vômito.

Danessa pára tudo para falar que sente cheiro de pêssego, manga ou suco. Inicia-se uma espécie de teste de Rohrschach olfativo. Para Fred o cheiro é de enxofre que emana dele próprio. Mas era apenas o spray glade frescor X borrifando incessantemente.

Rimkus ameaça um créu velocidade 5 em quem escolher um livro pior que Fred. Lúcifer, como bom habitante do inferno, diz que gelo está terminantemente proibido. Rimkus quer a todo custo sair do mês dos perdedores e propõe que quem escolher o livro com a pior média em 2010 será o encarregado do mês dos perdedores de 2011. Redbee é colocada no paredão após tantas faltas. Por falar em periquitas ruivas, Pat lembra-se que tem uma amiga estoniana ruiva que é muito gostosa e mostra fotos dela no fb.

É hora de dar nota na namorada de Lúcifer no livro. Fred está hipnotizado pela estoniana. Pat está no colo de Van e anuncia que a média é 7.53. Kling, Alvim e Rimkus pedem recontagem e ficam muito pês da vida quando veem que há duas notas cinco.

Patrícia dá um presente ao Club: Um baralho Kama Sutra. Comprou-o no Sex Shop que sua amiga abriu: Rebolation Sex Shop: Melhore você também o seu rebolation-tion. Cada um tira uma carta do baralho e tenta se autovisualizar fazendo a pose com o negão do baralho.

O telefone toca. Não é a Pri, é a Redbee. Explica que seu tio faleceu. Está livre do paredão do mês dos perdedores. Jacob é o porta-voz do luto do Club.

De repente começa-se a discutir os vídeos do blog, que não estão sendo muito comentados. Chantal acaricia os cabelos de Patrícia, que sente um arrepio na nuca. Sua caligrafia fica ainda mais disforme. Chantal fala sobre possíveis escolhas de leitura para o mês d’O Grande Assombro e todos se assombram quando ela diz a palavra “Chinesa” junto ao nome de Balzac. O Club é brasileiro e não desiste nunca e aceita a sugestão de Mlle. Chanti.

Pat vê que a meia de Lúcifer é muito, muito feia.  Chantal fala de um risoto de um ano atrás. Van está ácida. Ela não está doente hoje. Van e Li cochicham e Lúcifer ri. Chan e Rimkus ficam muito bem de blusa de vovó. Lurian quer ir ao toilette e Van não deixa: Lurian dá um selinho em Van. Muitas pessoas do Club têm 24 dedos pintos amantes anos. Fred está empolgado com a estoniana, e Príncipe diz “Que venha a copa!”.

Veja, Lula, Globo, Netinho.

Colírio aluncinógeno? Tampax com vodka?

O bolo berries de Marcos é melhor que sexo sonhar com nuvens de algodão. Todos se excitam. Van fala algo em tom de tango sertanejo. Fred comeria Justin Bieber. Rimkus penteia os cabelos com o garfo. Karatê Kid é foda.

Van penteia a foda de Karatê Kid no tango do bolo. Rimkus sonha que Bieber come berries com garfo. As nuvens de todos os sertanejos excitam melhor. O sexo de Marcos é comer algodão.

Patrícia acha que são onze horas, mas são dez. Que bosta, poderia ter ficado mais. Despede-se e recomenda que Fred vá assistir ao filme Nosso Lar com Redbee. Vai-se embora para Cotia pensando em Petrelli.

Frases da noite:

“Eu comi Amora” (…) ”meus dedos estão manchados de Amora”

“Segue sua nau”

“Esmalte e peguetes são proibidos”

“Cada país tem os Beatles que merece”

“Isso não é meu peito”

RENDEZ-VOUS du Club dans le métro? VOTEZ!

Leitura do mês das crianças

Apesar de nossa experiência traumática com a literatura oriental, o mês de outubro será destinado a obra “Balzac e Costureirinha Chinesa”, de  Dai Sijei, que também foi inspiração para um filme.


Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes