Nova gestão e nova organização

Pessoas,

diante dos últimos acontecimentos – retirada de Lílian do poder e fracasso da data de hoje – creio que uma nova organização é necessária.

Proponho que Pat assuma a liderança da organização – uma vez que ela também organizou o Amigo Secreto – e que a sede da reunião seja rotativa, para não sobrecarregar ninguém.

Podemos ir mais vezes a lugares fora das residências, como o restaurante de origem australiana que fomos outra vez, e outros. Estou em transição de lar e, assim que possível, poderei oferecê-lo para algumas reuniões. Acho que Rimkus também abriria sua nova casa, vez ou outra, com satisfação.

O que acham?

Quanto ao livro deste mês, podemos discutí-lo no dia 12/12, quando realizaremos nosso Amigo Secreto. E o de Dezembro ficaria, então, para Janeiro.

E já que o assunto está por aí, onde será nosso Amigo Secreto? Na casa da Chan mesmo? Vamos começar a combinar para não termos o mesmo problema de hoje, certo?

Beijos,

Van.

Anúncios

Vá em paz (mas chute os portões celestiais, se necessário)!

Houve um tempo em que as coisas não eram boas, que a humanidade estava perdida e que  tudo que era bom e prazeroso deveria ser visto como ruim e proíbido. Naquela época, o autor em questão só era citado em conversas  para exemplificar os condenados pelo reino da Eternidade.  Maus tempos!

Depois de umas tantas transformações, algumas bruscas, outras nem tanto,  a luz voltou. A tristeza não sumiu, nem as desgraças da humanidade, mas passaram a ocupar um espaço bem menor neste apertado coração que evitava chegava a odiar Saramago.

A preocupação com as portas da Eternidade também cessaram. Não completamente, pois sempre haverá um resto de culpa andando por aí. O coração se abriu para a pele, o amor e o riso.  E, entre  as muitas descobertas que pulsaram por estas veias e artérias, lá esteve Saramago, não em muitos volumes, mas em quantidade e aulas da Lílian Jacoto suficiente para causar arrependimento pelos tempo de coração fechado.

Para aqueles que ainda estão nos tempos de privação, o coração diz: “Fiquem com a Eternidade, com a pureza,  com tudo que é imaculado. Eu fico com a vida, com tudo de ruim e de bom que ela traz. Eu fico com Saramago”.

Colaboradora do mês

Marília Tomé, a moça que  nega ser de direita e conservadora, diz que será a colaboradora desse mês e de alguns outros, talvez. A moçoila afirma que tentará ler o livro do autor japonês escolhido para este mês antes da próxima reunião, mas não há garantias.

Suas contribuições virão de fontes como Freud, Winnicot, Lacan e um pouquinho – “porque é difícil” – de Deleuze.

Divirta-se Marília. Estamos felizes de tê-la conosco!

Livro do mês de maio

Gente,

O livro deste mês é: O Visconde partido ao meio, do Ítalo Calvino.

Não tem desculpa para não ler porque o livro é bem curtinho. E como vice-ditadora, I say: you must love! Estou pensando no castigo para quem não gostar.