Vá em paz (mas chute os portões celestiais, se necessário)!

Houve um tempo em que as coisas não eram boas, que a humanidade estava perdida e que  tudo que era bom e prazeroso deveria ser visto como ruim e proíbido. Naquela época, o autor em questão só era citado em conversas  para exemplificar os condenados pelo reino da Eternidade.  Maus tempos!

Depois de umas tantas transformações, algumas bruscas, outras nem tanto,  a luz voltou. A tristeza não sumiu, nem as desgraças da humanidade, mas passaram a ocupar um espaço bem menor neste apertado coração que evitava chegava a odiar Saramago.

A preocupação com as portas da Eternidade também cessaram. Não completamente, pois sempre haverá um resto de culpa andando por aí. O coração se abriu para a pele, o amor e o riso.  E, entre  as muitas descobertas que pulsaram por estas veias e artérias, lá esteve Saramago, não em muitos volumes, mas em quantidade e aulas da Lílian Jacoto suficiente para causar arrependimento pelos tempo de coração fechado.

Para aqueles que ainda estão nos tempos de privação, o coração diz: “Fiquem com a Eternidade, com a pureza,  com tudo que é imaculado. Eu fico com a vida, com tudo de ruim e de bom que ela traz. Eu fico com Saramago”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: